Vincular ou incorporar?

Imagine uma empresa com um computador central (servidor) e vários outros PC (clientes) em rede nas diversas repartições. Agora imagine uma figura ou outro objeto gravado no servidor.

Vinculando objetos

Temos um objeto vinculado no PC cliente (uma figura, por exemplo), quando este cliente “pega emprestado” as informações do servidor onde está armazenado o arquivo de origem. Ou seja, o arquivo original está no servidor e fica lá. O cliente só guarda mesmo o endereço do servidor para “olhar” para lá toda vez que precisar.

Tamanho do arquivo é levado em consideração

Use objetos vinculados se o tamanho do arquivo for um fator importante. Digamos que você no seu PC, na sua sala, trabalhe com mapas imensos. E o seu colega do lado também. E mais 15 colegas na outra sala e mais 20 lá nos fundos. Já pensou se todo mundo baixasse para o próprio PC todos os mapas da empresa? Não haveria disco rígido que aguentasse. Vinculando os mapas ninguém vai ter problema de espaço no próprio PC. Fica tudo no servidor.

Objetos incorporados

Um objeto incorporado é realmente uma cópia do original. Se você alterar o que está lá no servidor não acontecerá nada no cliente, pois não há vínculo.

No exemplo absurdo anterior, baixar todos os mapas seria o mesmo que Incorporar cada mapa no PC individual. Não faria sentido.

Na figura a seguir, na página Inserir Imagem do Word, observe que o botão Inserir permite 3 opções: Inserir – Vincular e Inserir e Vincular.

Inserir e vincular imagens